terça-feira, 12 de junho de 2012

Febre durante a gravidez pode dobrar riscos de autismo no bebê, diz estudo


Medicamentos para tratar a condição na gestação podem prevenir o atraso de desenvolvimento da criança

Por Minha Vida - publicado em 30/05/2012
 

Uma pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, descobriu que mães quem têm febre durante a gravidez podem ter duas vezes mais chances de ter um filho com autismo ou atraso de desenvolvimento. Os pesquisadores alertam que mulheres grávidas que apresentarem febre precisam procurar um médico e tomar a medicação adequada. 
Os resultados são baseados em dados de um grande estudo conhecido como Childhood Autism Risk from Genetics and the Environment (CHARGE), que inclui mais de mil crianças entre dois e cinco anos e suas respectivas mães. O estudo mostrou que a febre de qualquer causa durante a gravidez foi mais provável de ser relatada por mães de crianças com autismo (chance 2,12 vezes maior) ou atraso de desenvolvimento (2,5 vezes maior probabilidade), em comparação com mães de crianças que estavam se desenvolvendo normalmente. 
Os pesquisadores sugerem que o uso de medicação para tratar a febre durante a gestação pode ajudar a prevenir o aparecimento de autismo na criança. Segundo eles, quando as pessoas são infectadas por bactérias ou vírus, o corpo geralmente reage com a febre, que é uma resposta de cura que envolve a libertação de moléculas chamadas citocinas pró-inflamatórias, que vão para a corrente sanguínea. Algumas citocinas são capazes de atravessar a placenta e, portanto, atingir o sistema nervoso central do feto, potencialmente alterando o desenvolvimento do cérebro. Eles também lembram que a febre crônica é mais comum em mães com anormalidades metabólicas, como diabetes e obesidade. No entanto, mais investigação é necessária para identificar os caminhos por meio dos quais a inflamação pode alterar o desenvolvimento cerebral. 

Combata inimigos que podem aumentar chances de autismo

Outros estudos também apontam a relação entre problemas na gestação e autismo. Outro estudo desenvolvido na Universidade da Califórnia (EUA), por exemplo, apontou que mulheres que apresentam obesidade, diabetes ou pressão alta durante a gravidez podem ser mais propensas a ter filhos com autismo. A pesquisa incluiu 1.004 crianças com idades entre dois e cinco anos e suas respectivas mães. Durante a gravidez, o sistema imunológico da mulher é responsável por manter sua saúde e ainda garantir que o bebê tenha o desenvolvimento adequado. Por isso, ao longo dos nove meses, o pré-natal e outros cuidados especiais precisam ser seguidos à risca para evitar uma série de inconvenientes. Para passar longe dos perigos, veja as dicas da coordenadora do setor de Ultrassonografia Viviane Lopes, do Laboratório Femme.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Todo comentário é bem vindo! minha intenção é passar toda minha experiência e trajetória vividas com nosso filho autista! Qualquer dúvida estamos a disposição para poder ajudar!
Renata e Alexandre