terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

INCLUSÃO COM SUCESSO





O que a reportagem me ensinou!
Durante dois meses, estive com profissionais que lidam diariamente com a inclusão de alunos com deficiência e conheci três realidades bem-sucedidas em diferentes cidades do país

Maria Fernanda Vomero

Logo que chegamos à Escola Municipal Padre Cipriano Douma, em São Gonçalo (RJ), a fotógrafa Renata Mazzini e eu estivemos com a turminha da professora Fernanda Oliveira, do 1° ano do ensino fundamental; entre os alunos, o autista João Matheus, auxiliado pelo professor de apoio especializado Jéferson Oliveira. Fernanda havia proposto uma atividade de pintura, a fim de ensinar às crianças as cores primárias e secundárias. João Matheus estava especialmente interessado no amarelo, que já identifica e nomeia: ''malelo''. (Vim a saber que, no período da tarde, o garoto estava trabalhando as cores, com a professora Verônica Machado, durante o atendimento educacional especializado.) Num dado momento, João Matheus se distraiu, levantou-se, veio até mim e me abraçou. Ficamos assim, naquele terno abraço, durante um tempinho, até o sorridente João se desvencilhar e voltar para perto de Jéferson. Foi a minha recepção de boas-vindas.

Todos podem aprenderNum passado não tão distante, as crianças com deficiência mal circulavam fora de seus ambientes familiares. Foi um período marcado pela invisibilidade e pela rejeição. Muitos dos preconceitos e das ideias equivocadas que ainda existem hoje vêm daquele tempo. Aos poucos, surgiram instituições especializadas que passaram a oferecer atendimento de saúde, tratamentos específicos e assistência social a essas crianças. Apareceram também as classes e as escolas especiais, como uma tentativa de proposta pedagógica. Os pais passaram a contar com um apoio profissional, e meninos e meninas ganharam nova perspectiva de vida. Foi, certamente, uma conquista.

Mas as duas últimas décadas trouxeram avanços incontestáveis, tanto no conhecimento científico sobre as potencialidades das crianças com deficiência quanto na discussão dos direitos delas. Por isso, agora, é preciso avançar. Vários mitos relacionados ao tema têm sido derrubados gradativamente. Antigamente se acreditava que a permanência de uma criança autista, cega ou com síndrome de Down na sala de aula comum "atrapalharia" o aprendizado dos demais alunos; por isso, seria melhor que ela estivesse "entre iguais". Hoje já se sabe que a segregação não beneficia uma criança com deficiência - e não beneficiará jamais. Ela pode necessitar de tratamentos específicos e de acompanhamento médico realizados em um estabelecimento exclusivo, e até participar de atividades lúdicas e artísticas ali; mas, em termos pedagógicos e acadêmicos, para que tenha suas aptidões reconhecidas e se desenvolva como indivíduo, a escola comum se revela a melhor opção. Toda criança pode aprender. Daí o grande desafio atual da educação inclusiva, que não diz respeito só a alunos com deficiência, mas a todos os estudantes, ao corpo docente e à própria sociedade. Precisamos, portanto, de novos paradigmas, porque a inclusão vai além da mera matrícula; significa comprometimento de todos. É o futuro que estamos construindo que se encontra em jogo nesse processo.

Proposta revolucionáriaDurante a apuração da reportagem, visitei algumas escolas e constatei que a educação inclusiva é, sim, possível. Encontrei alunos incluídos de fato - como os casos descritos na edição impressa e também as histórias de Luan e Eduardo, por exemplo. Conheci educadores bem-preparados e sobretudo atentos às necessidades de todas as crianças e comprometidos com um ensino que contemple a todos. Também tive a oportunidade de estar com gestores muito conscientes e ouvir depoimentos emocionados das mães. E pude bater longos papos ao vivo com duas autoridades brasileiras em inclusão, a professora Maria Teresa Mantoan, da Unicamp, e a advogada carioca Cláudia Grabois, além de profissional competente e ativista ardorosa, é mãe de quatro filhos - a terceira deles, Raquel, tem síndrome de Down.

Sou muito grata pela oportunidade de ter acompanhado, de modo tão próximo, um processo tão revolucionário quanto a inclusão de crianças com deficiência. Sei que há ainda muita gente bastante reticente quanto ao tema; talvez porque a concepção de escola, para essas pessoas, seja baseada em ideias estanques, imóveis, refratárias a mudanças. Se a escola não se aprimora, não absorve o fluxo da própria dinâmica social, tende a se tornar um espaço excludente, porque vai admitir apenas aqueles que se encaixam em suas premissas. Tenho esperança de que continuemos avançando em prol de uma sociedade mais justa, digna e verdadeiramente comprometida com os direitos humanos. Conviver com as diferenças é parte inerente à condição humana; foi-se o tempo em que se acreditavam em discursos sobre a superioridade de certos grupos em relação a outros. Não faz sentido conceber um mundo de guetos, em que o convívio seja restrito aos ditos "iguais". Que bom que as novas gerações já têm contato com a diversidade na sala de aula logo ced

Espaço para as diferenças

Na Escola Básica Municipal José do Valle Pereira, em Florianópolis (SC), a atividade de construção de um robô começou com o atendimento de Luan Bandeira, de 11 anos, aluno do 5° ano e portador da Síndrome de Williams, que provoca atraso psicomotor. "O Luan tem fascinação por robôs. E, embora apresente dificuldades em certos projetos acadêmicos, tem muita facilidade para outras coisas. Então, levamos a atividade para a sala de aula dele: dividimos a turma em grupos, nos quais cada um foi responsável por uma tarefa, e criamos um robô gigante", conta Rosemeri Vargas, uma das professoras responsáveis pela Sala de Recursos Multifuncionais. "Daí saiu também um projeto de reciclagem e uma peça de teatro," diz.

O fotógrafo Beto Goulart e eu conhecemos Luan quando a turma dele se dirigia à quadra externa para a aula de Educação Física. Simpático e curioso, ele conversava conosco com desenvoltura; adorou saber que Beto tinha uma moto e lhe fez inúmeras perguntas. Ficamos encantados com o garoto, que parecia não ter deficiência alguma. No entanto, a Síndrome de Williams geralmente acarreta uma grande dificuldade na leitura e na escrita - e com Luan não é diferente. Isso, contudo, não é empecilho para que ele aprenda e assimile os conteúdos que recebe em sala de aula. Um julgamento apressado, que se limitasse a avaliar seu desempenho ao ler, poderia ignorar suas aptidões.


Logo que chegamos à quadra, Jenifer, colega de sala de Luan, o chamou para pular corda ao lado de outras duas amigas. O menino não pestanejou: mesmo com dificuldades motoras, às vezes se atrapalhando com um salto ou outro, ele participou do exercício com bastante empolgação. Logo depois, o grupinho foi jogar bola. Sorte do Luan, que está crescendo num ambiente em que ele não é considerado diferente, mas no qual suas diferenças são respeitadas.



Desafios cotidianos





Quando Maria Helena de Castro Faria, Professora Assessora de Educação Inclusiva (PAEI), profissional itinerante que acompanha e assessora as práticas de inclusão em cinco escolas da rede de Santo André (SP), me apresentou o Eduardo Fernandes, de 11 anos, aluno do 4° ano do ensino fundamental da EMEIEF Nicolau Moraes Barros, ele tinha acabado de jogar hóquei durante a aula de educação física. Ainda ofegante, observava atento o desenrolar da partida entre dois outros times. Respondia as perguntas que eu fazia com frases curtas, às vezes repetindo minhas últimas palavras, e parecia bastante integrado com os demais alunos. O fotógrafo Gustavo Morita, que havia chegado antes à quadra de esportes, me contou que tinha visto o garoto jogar - e bem. Eduardo foi diagnosticado como portador de Transtorno Global do Desenvolvimento (TGD), categoria que reúne o autismo e outras síndromes que envolvem o prejuízo na interação social e nas habilidades de comunicação e comportamento estereotipado ou repetitivo. Nem sempre Eduardo esteve calmo e concentrado como naquele dia em que o vi. "Ele vinha bem até abril [de 2012], mas no finalzinho de maio começou com um comportamento diferenciado que culminou numa crise. O professor da sala regular disse: ''não dá, eu não consigo''. Entrei em contato com nossa gerente de educação inclusiva e com o pessoal do Caps Infantil (Centro de Atenção Psicossocial) e conseguimos uma profissional que veio conversar comigo, com a orientadora pedagógica da escola e com o professor. Esse respaldo foi muito importante", conta Maria Helena. Mesmo diante das dificuldades e dos dilemas que o caso despertou, a equipe não desistiu - por isso, naquele momento, Eduardo estava ali: ainda na escola, ao lado de seus colegas, participando da aula de educação física.

São inúmeros os desafios que os professores da sala regular enfrentam quando há alunos com deficiência na classe. Muitos docentes, logo de cara, se dizem despreparados ou desmotivados para acolher em sua turma um garoto como Eduardo. Daí a importância não só dos cursos oferecidos pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do MEC, mas também daqueles ofertados pelas próprias secretarias municipais de educação (quando há, obviamente) e, principalmente, da existência de uma rede de apoio, para que o professor não se sinta desamparado e sozinho.

Os desafios, contudo, não podem ser desculpa para a exclusão ou para o preconceito. Lembro-me do que me disse Fabiana Stival Morgado, gerente de educação inclusiva da Secretaria Municipal de Educação de Santo André: "O aluno com deficiência leva à busca de estratégias diferenciadas, saindo da mesmice. A impotência diante desse aluno retrata o não-saber do professor". O perigo está quando os docentes "não escutam a criança; escutam o próprio preconceito", como afirmou a psicanalista Leny Magalhães Mrech, do Núcleo de Estudos de Psicanálise e Educação (Nupe), da Faculdade de Educação da USP.

Exercício de cidadania


Quando o tema é educação inclusiva, a advogada Claudia Grabois fala com a autoridade e a experiência de quem militou em favor dos direitos humanos desde a adolescência e continua ainda bastante ativa; de quem dirigiu o Instituto Helena Antipoff da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, órgão responsável pela implementação das políticas públicas de educação especial na perspectiva da educação inclusiva; e, principalmente, de quem é mãe de quatro filhos - dois rapazes, um de 15 anos e outro de 22, uma garotinha de 8 e uma adolescente de 14, Raquel, que tem Síndrome de Down. Claudia também é uma das coordenadoras do Portal Inclusão Já e do Fórum Nacional de Educação Inclusiva e da Rede Inclusiva - Direitos Humanos Brasil.

Quando o tema é educação inclusiva, portanto, ela fala com sensibilidade e vigor; não se detém apenas nos aspectos jurídicos da questão, mas considera o ser humano em toda a sua dignidade. Por isso, para Claudia, é inconcebível que uma escola negue a matrícula de crianças com deficiência ou dificulte sua permanência na classe comum. "Educação é um direito central. A escola é o espaço de vivências do ser humano durante a infância e a adolescência. Não podemos privar alguém de viver", diz.

Durante seu período na secretaria de educação do Rio de Janeiro, Claudia teve contato com milhares de docentes. Deparou-se com a relutância de muitos, mas também com a disposição e o empenho em favor da inclusão de outros tantos. "É preciso sensibilizá-los a fim de que percebam que o aluno com deficiência é um ser humano e seu lugar é na escola. A diversidade faz parte do mundo, e as diferenças devem ser legitimadas", afirma. "Os professores têm direito à formação e à informação. E precisam se sentir parte do processo, ter autonomia para propor, se manifestar e articular, além de participar ativamente da elaboração do projeto político-pedagógico da escola." A educação inclusiva, defende ela, desencadeia um processo de transformação na própria comunidade escolar e resulta num verdadeiro exercício de cidadania.


A trajetória escolar de sua filha Raquel comprova os benefícios trazidos pela inclusão de crianças com deficiência nas classes comuns. A garota terminou o 7° ano do ensino fundamental em 2012 e sempre estudou em escola pública. "As crianças com deficiência precisam ter acesso a recursos - e a Raquel tem tido. Mas a convivência com os demais alunos foi uma conquista dela e também dos amigos: uma via de mão dupla", diz Claudia. "As crianças e os adolescentes acabam se entendendo. São os adultos que tendem a colocar barreiras por conta de preconceitos que às vezes nem sabem que carregam. Por isso, não podemos taxar nada - por exemplo, não podemos determinar a priori que uma criança autista não vai se enturmar na escola porque não fala. Ora, ela pode, sim, ter amigos e conviver com eles. Quem somos nós para determinar esse limite para as pessoas sobre o que podem ou o que vão aprender? Incentivo muito minha filha no aprendizado. E ela tem seguido os conteúdos."

Conversei com Claudia em dois momentos distintos da apuração: antes de visitar a primeira escola, ainda sem contato direto com as experiências de inclusão, e, depois de haver terminado todas as entrevistas, para checar algumas informações em relação às leis e convenções afins. Impossível ficar impassível à veemência e à paixão com as quais Claudia defende não só a educação inclusiva, mas o cumprimento dos direitos humanos em geral. É sempre inspirador ouvi-la falar. "Sabe o que me dá esperança? Apesar de tantas tragédias que já ocorreram, a gente tem muita possibilidade de escrever novas histórias. A cada dia!"
Seu sonho é que toda criança esteja na escola. Que todas as escolas possam acolher todas e quaisquer crianças, sem distinção. 


Diversidade na sala de aula



João Matheus e sua mãe, Geisa Pacheco Avelar


A atividade passada pela professora Elen Mary a seus alunos do 2° ano do ensino infantil foi escrever o próprio nome sobre as linhas horizontais riscadas na folha sulfite. Erick acompanhava o pontilhado das letras desenhadas pela professora com uma caneta hidrocor amarela. Olhava para a repórter, apontava a primeira letra e exclamava: "E"! Talita, que estava sentada ao lado dele e terminara a tarefa já há alguns minutos, comentou: "Tia, não precisa ajudar ele, não. Ele sabe escrever. Está só fazendo manha." A outra garotinha daquela mesa, Stefany, ainda não saíra da primeira linha. Empacara no "E", escrito com seis tracinhos horizontais. Distraída, observava o movimento das outras crianças enquanto mordiscava o lápis. No outro canto da sala, Weslei escrevia seu nome de modo espelhado. Caio, por sua vez, desenhava foguetes na parte de trás da folha. Já havia terminado a atividade há tempos. Hugo não parava de falar sobre brincadeiras e generalidades, enquanto Rodrigo se esquecia de por a segunda letra "r" de seu nome. Na mesa da frente, Hadrassa olhava um ponto fixo da parede, totalmente alheia ao exercício. Algumas crianças zanzavam pela sala. Enquanto isso, Erick, usando gestos e alguns sons, pediu um lápis à professora. "A canetinha não é mais fácil para você segurar?", perguntou Elen. O aluno insistiu, queria fazer como os demais. E, com o lápis, completou sua lição. Portador de Transtorno Global do Desenvolvimento (TGD), com traços de deficiência intelectual e motora, Erick Richard da Costa de Jesus, de 5 anos, convive normalmente com seus coleguinhas de turma, cada um com suas particularidades. Quando chegou à Escola Municipal Padre Cipriano Douma, em São Gonçalo (RJ), no início de 2011, o garotinho não andava, não conseguia segurar objetos e tampouco falava. Hoje, brinca com os amigos, corre durante o recreio, identifica letras e cores, escreve o próprio nome e já consegue falar várias palavras. Duas vezes por semana, no período da tarde, Erick frequenta a Sala de Recursos Multifuncionais, na qual segue um roteiro de atividades que complementam seu desenvolvimento acadêmico, com acompanhamento da professora Verônica Machado.

"Quanto progresso ele teve desde que entrou na escola", conta a mãe Darlene, emocionada. Subitamente, ela e a repórter escutam uma algazarra ali perto. Dois garotos brincam de pega-pega, entre risadas e gritos: Erick e o autista João Matheus. "A educação emociona de fato. É comovente ver um menino, cujo médico desenganara e dizia que não adiantava vir para a escola porque ele não iria andar nem falar, participando até de apresentação teatral", afirma Ielva Maria Costa de Lima Ribeiro, Superintendente de Programas e Projetos da Secretaria Municipal de Educação de São Gonçalo. "Erick está bem porque a escola respeitou o direito dele de conviver com outras crianças num espaço educativo."


FONTE:
http://revistaeducacao.uol.com.br/index.asp

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Todo comentário é bem vindo! minha intenção é passar toda minha experiência e trajetória vividas com nosso filho autista! Qualquer dúvida estamos a disposição para poder ajudar!
Renata e Alexandre