quinta-feira, 2 de maio de 2013

O tratamento Biomédico esta curando meu Filho

Acabei de receber os resultados dos exames de Alergias Alimentares, Metabólicas e Ácidos Orgânicos feitas pelo laboratório The Great Plains Laboratory, Inc. do meu filho Glauco, e fiquei surpresa com a quantidade de alimentos comuns do dia a dia que ele é alérgico, e com a presença de clostrídios uma bactéria que vive no intestino e muito presente em autistas, vou postar bem explicado e leiam com atenção! Estes exames são importantes para o sucesso do  tratamento biomédico.
Meu filho tem apresentado melhoras significativas, estou muito feliz de finalmente ter encontrado um tratamento adequado e que posso ver os resultados!
Renata Oliveira, mãe do Glauco

Levedura, clostrídios e vírus



Um sistema digestivo saudável contém levedura e bactérias boas. O balanço de bactérias benéficas para outros micróbios desempenha um papel importante na regulação da inflamação , a digestão e imune função.

O que é disbiose?

Disbiose é um desequilíbrio na flora natural do sistema digestivo. As bactérias no intestino tem o potencial para crescer sobre o que cria a inflamação, diminui a absorção de nutrientes e, no caso de autismo, prejudica o desenvolvimento. O equilíbrio natural da flora boas ou probióticos no trato digestivo é essencial para regular a função imunológica. A falta de boas bactérias ou um crescimento de micróbios saudáveis ​​pode causar grandes problemas para as crianças com transtornos do desenvolvimento.

Levedura

As bactérias vivem no trato intestinal, dividindo espaço com o fermento. O uso de antibióticos faz com que cria a oportunidade para o crescimento de levedura. Os antibióticos matam bactérias boas e ruins, mas não fermento. As crianças que estiveram em antibióticos, muitas vezes, sem re-povoamento do trato digestivo com bactérias boas, sem dúvida, terá problemas com o crescimento de levedura. Muitas crianças nascem com disbiose ou desequilíbrio na flora intestinal por causa do nascimento da secção C, antibióticos intravenosos durante o parto e / ou fórmula de alimentação, o que contribui para o crescimento de levedura.

Leveduras vivas e se alimentam de açúcar. Limitando elevado de açúcar (ou alimentos que se transformam em açúcar no intestino) é o primeiro e mais importante passo.


Sinais de problemas de levedura

Comportamento:
Exigente
Agressivo
Stimming
Cede as orelhas
Mastigar (sobre tudo e mais alguma coisa) e ranger de dentes
Rir por qualquer razão, no meio da noite ou durante o dia espontaneamente
Subindo o tempo todo
Permanente da cabeça ou pendurados de cabeça para baixo o tempo todo
Cérebro nevoeiro: vertiginosas comportamentos super-bobos
Perda de energia
Parecendo fora dele
Almejando para pão, massas e doces


Sinais Clínicos:
Erupções
Eczema
Couro cabeludo Funky-cheiro (o "cachorro molhado" cheiro)
Coceira: perianal, genital e / ou generalizada
Vermelhidão: ao redor do ânus ou na vagina
Distensão abdominal
Aumento de flatulência
Obstipação ou diarreia
Mudança no cheiro de fezes (fermentada, bready, falta ou doce)
Clostrídios

Uma pesquisa feita por Dr. Sidney Finegold comparado a flora intestinal de crianças com ASD regressiva para as crianças neurotypical. Os resultados mostram que as contagens clostridiais foram maiores em crianças com autismo. O número de espécies de Clostridium encontrados nas fezes de crianças com ASD foi maior do que nas fezes de crianças neurotypical. As crianças com ASD tinha nove espécies de Clostridium não encontrada no grupo neurotípico. O grupo neurotípico mostraram apenas 3 espécies não encontradas em crianças com autismo. Ao todo, havia 25 diferentes espécies de Clostridium encontrados. No estômago e no intestino espécimes pequenos, o achado mais surpreendente foi total ausência de Clostridium de crianças neurotypical e um número significativo de tais bactérias de crianças com autismo.

Estes estudos demonstram alterações significativas na flora intestinal superior e inferior de crianças com início tardio ASD e pode fornecer insights sobre a natureza desta doença.

Uma pesquisa feita por Dr.Derrick McFabe , da Universidade de Western Ontario, tem explorado infecção aquired clostrídios e sua relação com transtorno do espectro do autismo. Em seu estudo, os roedores injetados com ácido propiônico (a partir de espécies Clostridial) autismo apresentaram como os comportamentos, incluindo:
Fiação
Comportamentos repetitivos
Ataques epilépticos / convulsões
Afastando
Hiperatividade
Interação social alterada e comprometimento em "play" como o comportamento


Aqui estão algumas maneiras que clostrídios poderiam desempenhar um papel no autismo:
Muito clostrídios
Atividade imunológica prejudicada
Danos ao trato digestivo
Deficiências nutricionais
Inflamação
Dieta


Um vídeo sobre a pesquisa do Dr. MacFabe pode ser visto na Fundação Autismo Canadá
Vírus

Há evidências significativas de que implica o sistema imunitário no autismo, PDD, TDAH e outros problemas de desenvolvimento. Pré e infecção pós-natal são fatores de risco conhecidos para os pais ASD e muitos relatam o aparecimento dos sintomas do autismo após a infecção viral.

Os vírus induzir uma resposta do sistema imunológico. A resposta do sistema imunológico cria inflamação. Uma pesquisa feita por Dr.Pardo , Dr. Vargas e Dr.Herbert provaram que a inflamação desempenha um papel chave no TEA. Dr. Pardo e Dr. Vargas analisou crianças e adultos com autismo que havia falecido. Seus resultados mostraram um processo inflamatório em curso no cérebro. Esta é uma evidência importante para mostrar que o autismo é neurobiológica na natureza - que algo impactando o corpo eo cérebro está causando autismo.


Os vírus podem desencadear uma resposta imune equivocada que pode causar perturbações que podem afetar:
desenvolvimento
comportamento
humor
pele
digestão
função imunológica
dormir


Os pesquisadores descobriram que as crianças autistas que haviam sido expostos a certos vírus no passado mostraram altos níveis de anticorpos contra proteínas do cérebro, sugerindo uma resposta auto-imune. Seus resultados aparecem na edição de outubro da revista peer-reviewed, Imunologia Clínica e Imunopatologia.

É sabido que a interacção com o ambiente genético é a causa do autismo. Que genes e que desencadeia ambientais é mais difícil de entender. Provavelmente, os subgrupos de autismo será encontrada para ser associada com diferentes genes e diferentes causas ambientais.

No início da exposição a um vírus pode fazer com que o corpo para montar uma resposta imune. Esta é uma resposta que tem o potencial para dar errado. Além da produção de anticorpos contra o vírus, o corpo produz anticorpos contra si própria, resultando em danos para os tecidos e órgãos.

Esta resposta "auto-imune" é o que acontece em doenças auto-imunes como o lúpus, e alguns pesquisadores acreditam que uma resposta semelhante pode explicar as anormalidades cerebrais encontradas em pessoas com autismo, PDD, o TDAH.

Um estudo de 48 crianças autistas e 34 crianças normais e adultos, os pesquisadores mediram os níveis de anticorpos contra dois vírus do vírus do sarampo e herpesvírus-6-em humanos sangue dos sujeitos. Estes anticorpos foram escolhidos porque são muitas vezes utilizados em pesquisas sobre doenças auto-imunes conhecidas.

Os pesquisadores também mediram os níveis de dois auto-anticorpos cerebrais (anticorpos contra o tecido cerebral). Um anti-MBP, é um anticorpo para a proteína básica da mielina, uma proteína encontrada nas bainhas de protecção em torno das fibras nervosas do cérebro. O outro, o anti-NAFP, é um anticorpo para a proteína de filamento neuronal dos axónios, uma proteína que compõe as próprias fibras nervosas.

14 comentários :

  1. Assisti ontem o filme "O enigma do autismo" no You Tube. Faz esta mesma abordagem. Achei muito interessante! Parabéns por compartilhar suas descobertas!

    ResponderExcluir
  2. ´Quem é o seu médico?

    ResponderExcluir
  3. acho que qualquer tratamento que fale de cura hoje , é charlatanismo , pais abram os seus olhos para falsas promessas de cura

    ResponderExcluir
  4. Bom dia!

    . Já fez uso de vários medicamentos mas sempre está com estas crises.Estou tentando marcar com a Dra. Simone Pires para iniciarmos o tratamento biomédico.Só para eu ter uma ideia: fica em torno de quantos reais por mês? Estes primeiros exames são feitos apenas no exterior?

    Obrigada.

    Aparecida

    Meu email marialeitejesusmaria2013@live.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maria tudo bem? Vc conseguiu marcar com a Dra Simone Pires? O Neuro do meu filho viu alguns espectros autistas nele e ele nao fala com 1 ano e sete meses. Gostaria de tentar esse tratamento biomedico também
      Beijo

      Excluir
  5. Conhece algum medico em Fortaleza ce

    ResponderExcluir
  6. Ola, quem é o médico que cuida do seu filho? Preciso saber de um bom profissional pois eu sei que meu filho tem autismo, apesar de não termos o diagnóstico ainda. Quero muito ajuda-lo, mas não sei por onde começar, quem procurar. Que Deus nos ajude nessa caminhada e que nós consigamos a cura se Deus quiser.Temos que ter fé e esperança. É muito triste meu filho falava algumas palavras como vovó, banana, mama, e de repente parou. Choro todos os dias e penso será que meu filho vai falar um dia. Desculpem é só um desabafo de uma mãe desesperada em querer ajudar seu filho.meu nome é Fernanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fernanda, como está seu filho hoje?

      Excluir
  7. Olá Fernanda!! não se desespere, tudo dará certo!! o médico do meu filho é Dr. Rogério Rita em Florianópolis, me mande por e-mail onde você mora para que eu possa te orientar o médico mais próximo!
    relukka@hotmail.com

    ResponderExcluir
  8. pode me orientar um medico em niteroi rj?

    ResponderExcluir
  9. Olá tenho um filho com autismo ainda nao tem um diagnóstico fechado .
    Gostaria de saber se você conhece algum biomedico em sao paulo para me endicar creio em DEUS que meu filho vai ser curado.
    Aguardo resposta.
    Desde já obrigada.
    nogueiranilza@gmail.com

    ResponderExcluir
  10. Quero fazer tratamento biomédica moro perto de Jundiaí/sp tem algum médico por aqui que posso passar email rr-gonzaga@bol.com.br obrigada

    ResponderExcluir
  11. Quero fazer tratamento biomédica quero saber se tem como indicar algum médico moro Jundiaí estado de São Paulo email rr-gonzaga@bol.com.br desde já agradeço

    ResponderExcluir

Todo comentário é bem vindo! minha intenção é passar toda minha experiência e trajetória vividas com nosso filho autista! Qualquer dúvida estamos a disposição para poder ajudar!
Renata e Alexandre