quarta-feira, 29 de maio de 2013

Novo livro ajuda pais a identificarem transtornos de comportamento nos filhos


Gustavo Teixeira, psiquiatra da infância e adolescência, selecionou os 25 desvios que mais acometem as crianças brasileiras e os colocou no Manual dos Transtornos Escolares – primeiro guia nacional a dar dicas a pais e educadores sobre

Criança triste; transtornos psicológicos (Foto: Shutterstock)
Transtorno desafiador opositivo, transtorno de déficit de atenção / hiperatividade (TDAH), transtorno bipolar do humor, anorexia, bulimia, deficiência intelectual, autismo, esquizofrenia, dislexia, depressão, comportamento suicida. Estes são alguns dos principais transtornos comportamentais sofridos pelas crianças e pelos adolescentes brasileiros. Quem chegou a essa conclusão foi o carioca Gustavo Teixeira, psiquiatra da infância e adolescência, que selecionou os casos que mais costumam aparecer em seu consultório e os registrou no recém-lançado Manual dos Transtornos Escolares (Editora Best Seller, R$19,90).

Leia também
O livro é o primeiro guia nacional a dar dicas a pais e educadores sobre os sintomas e os tratamentos desses transtornos dentro do ambiente escolar. “Senti a necessidade de escrevê-lo há alguns anos, quando comecei a dar cursos e palestras. Antes dele, não existia nenhum outro no Brasil que abordasse os principais transtornos de comportamento na infância. Estima-se que 10 a 20% das crianças e adolescentes do mundo precisam de algum tipo de ajuda na área mental. É um conhecimento que os pais e educadores precisam ter”, explicou Gustavo em entrevista a CRESCER.
Manual dos Transtornos Escolares, sexto livro da carreira do psiquiatra, foi baseado em um curso que o especialista oferece na Brigdewater State University (universidade do estado de Massachusetts, nos Estados Unidos) sobre psicoeducação. A ideia, segundo ele, foi unir o conhecimento adquirido no exterior com sua experiência clínica do Brasil.
Manual dos Transtornos Escolares (Editora Best Seller, R$ 19,90) (Foto: Divulgação)

Confira abaixo a entrevista completa.

C.: O número de crianças com transtornos comportamentais tem aumentado nos últimos anos?
G.T.:
Atualmente temos uma incidência alta deste tipo de problema, mas não podemos falar que os números têm aumentado. O que acontece é que, hoje, estamos mais habilidosos para identificar as patologias. A medicina está mais evoluída, então conseguimos chegar aos diagnósticos com mais facilidade que antigamente.
C.: Em quais idades esse livro é focado?
G.T.:
Em todas as idades. Procurei escrever uma visão geral de transtornos no ambiente escolar da educação infantil até o ensino médio. Isso depende, em grande parte, do transtorno em si. O autismo pode ser diagnosticado bem cedo, quando o bebê tem cerca de seis meses, enquanto a dislexia demora 7 ou 8 anos, por exemplo. É por isso que em cada capítulo coloquei um caso clínico real para ilustrar, para que o leitor tenha acesso a informações que o permitam visualizar todo o cenário.
C.: No livro você cita 25 problemas. Entre eles, quais são os mais comuns?
G.T.:
Se eu tivesse que dizer os cinco de maior incidência, apontaria o bullying, o transtorno desafiador opositivo, o déficit de atenção / hiperatividade, o autismo e a dislexia.
C.: Quais são os mais difíceis de serem tratados?
G.T.:
Depende da gravidade de cada quadro. Existem casos leves, moderados e graves de todas as patologias. Mas algumas costumam ter prognóstico mais negativo. A esquizofrenia de início precoce é uma delas. Pelo simples fato de existir, ela já é considerada grave, pois o impacto é para a vida toda. É o caso também da deficiência intelectual.
C.: Como os pais e professores podem saber se a criança está apenas com algum problema em seu cotidiano ou se apresenta, de fato, um transtorno de comportamento?
G.T.:
Digo sempre que os pais e educadores devem estar atentos a duas áreas do funcionamento global da criança. A primeira é o desempenho acadêmico. Notas baixas em determinadas matérias, eventualmente, são naturais, mas, quando ela não consegue aprender nunca, deve ser investigada, alguma coisa pode estar errada ali. A segunda área é a do funcionamento social. Quando a criança é exageradamente tímida, retraída, agressiva, sozinha ou triste, também deve ser avaliada. E o mais importante é que isso aconteça cedo.
C.: A principal ideia do livro é essa? Mostrar sinais para que esses transtornos sejam detectados a tempo de serem revertidos?
G.T.:
Sem dúvida. Os grandes problemas do nosso país são o preconceito, a desinformação, a ignorância. É muito triste receber na clínica uma criança de 4 anos de idade e diagnosticá-la com autismo, sendo que aquele quadro deveria ter sido diagnosticado muito antes. Meu objetivo é oferecer informação para orientar as famílias e os educadores e combater isso. Além, é claro, de estimular a prevenção. De forma geral, o que causa uma doença psiquiátrica é a vulnerabilidade genética associada a desencadeadores ambientais. Um exemplo: sentar à mesa e ter uma refeição pacífica dentro de casa, por exemplo, é um fator de proteção contra o uso de drogas. Outro: uma criança com propensão a ter esquizofrenia pode desenvolver um quadro grave da doença quando é inserida em um ambiente caótico.
C.: O tratamento em crianças e adolescentes é muito diferente do tratamento em adultos?
G.T.:
É bem diferente. Quando lidamos com crianças, temos muito mais oportunidades de intervenção. Isso sem falar no apoio da família, que é fundamental. Um adulto pode procurar ajuda sozinho, mas uma criança, não, sempre tem alguém por trás, o que facilita bastante o processo.
C.: No livro você une patologias, como depressão, a outros problemas sociais, como bullying e uso de drogas. Por que você resolveu escrever dessa maneira?
G.T.:
Isso é muito comum não só na área da saúde mental, mas em toda a medicina. Chama-se comorbidade, situação em que duas ou mais condições médicas ocorrem ao mesmo tempo. A pessoa pode ter gastrite e hipertensão, por exemplo. Em termos de patologia comportamental, pode ter transtorno desafiador opositivo e TDAH ou ter depressão e ficar mais vulnerável ao bullying e ao uso de drogas. Isso torna a avaliação mais difícil, um sintoma “camufla” o outro. Por isso, insisto que é necessário procurar um profissional sempre que houver suspeita.
C.: A quem você recomenda a leitura?
G.T.:
A todos os educadores e pais. De maneira geral, todos nós estamos vulneráveis a essas questões comportamentais. Pais e professores precisam ser capacitados para lidar com essas crianças. Elas estão aí precisando de ajuda e, se não tiverem, vão se desmotivar e perder anos de suas vidas à toa. Essa é uma bandeira que levanto sempre.
Fonte:http://revistacrescer.globo.com/Criancas/Comportamento/noticia/2013/04/novo-livro-ajuda-pais-identificarem-transtornos-de-comportamento-nos-filhos.html

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Todo comentário é bem vindo! minha intenção é passar toda minha experiência e trajetória vividas com nosso filho autista! Qualquer dúvida estamos a disposição para poder ajudar!
Renata e Alexandre